Indústria brasileira do aço acredita em recuperação em 2019

O Instituto Aço Brasil acredita no bom desempenho do setor em 2019, apesar de ter sentido, no 1º trimestre deste ano, os efeitos das dificuldades que ainda persistem na economia brasileira, em razão do atraso na aprovação da reforma da previdência.

A produção brasileira de aço bruto nos primeiros três meses de 2019 foi de 8,4 milhões de toneladas, 2,8% menos do que no mesmo período de 2018. As vendas internas caíram 0,1%, enquanto o consumo aparente foi de 4,9 milhões de toneladas (-1,4%).

Os dados são do Instituto Aço Brasil que, em nota, afirmou que segue acreditando no bom desempenho do segmento em 2019, apesar do setor ter sentido neste primeiro trimestre os efeitos das dificuldades que persistem na economia brasileira, em razão do atraso na aprovação da reforma da previdência.

A expectativa do Instituto é de uma trajetória de recuperação para o ano, com o crescimento das vendas internas de 4,1% em relação a 2018 (19,5 Mt) e de 4,6% no consumo aparente, que deve atingir 22 milhões de toneladas.

No tocante à produção de aço bruto, a estimativa para este ano é de 36 milhões de toneladas (+2,2%). As importações devem aumentar 8,7% em relação a 2018, totalizando 2,6 milhões de toneladas, enquanto as exportações devem cair 6,1%, devendo atingir 13,1 milhões de toneladas.

No entanto, a entidade reitera que a confirmação destas previsões e até sua eventual melhora depende essencialmente da retomada do crescimento econômico do país de forma sustentada; prioridade esta não só da siderurgia, mas de toda a indústria brasileira.

Como parte da Coalizão Indústria, o Instituto Aço Brasil entende que isso somente ocorrerá com o ajuste fiscal, que tem como foco a reforma da previdência e a reforma tributária.

Uma vez obtido o ajuste fiscal, a expectativa é de retomada dos investimentos na construção civil e em infraestrutura, assim como nos projetos do setor de óleo e gás.