Indústria de fundição concretiza fim da crise e tem melhor ano desde 2016

A produção de fundidos totalizou 2,28 milhões de toneladas em 2018, o que equivale a uma alta de 6,3% em relação aos 2,14 milhões de toneladas fundidas no ano anterior e de 8,6% sobre 2016. Os dados foram compilados pela ABIFA – Associação Brasileira de Fundição, após consulta às suas associadas.

O ferro fundido liderou a tonelagem de metal fundido em 2018, com 1,84 milhão de toneladas (+3,5% em relação a 2017), embora o destaque de crescimento tenha ficado por conta do aço (+30,8%), com 244 mil toneladas fundidas.

No segmento de não ferrosos, a alta foi de 8,7%, com a produção de 199,2 mil toneladas, entre alumínio (172,1 mil t / +10,4%), cobre (20,9 mil t / +0,6%), zinco (1,2 mil t / +0,2%) e magnésio (5,0 mil t / -7,7).

Tabela 1 – Produção acumulada de fundidos em 2018.
Metal Jan-Dez 2018 (t) Jan-Dez 2017 (t) 2018/2017 (%)
Ferro 1.840.152 1.778.329 3,5
Aço 244.008 186.616 30,8
Não ferrosos (total)

Cobre

Zinco

Alumínio

Magnésio

199.219

20.945

1.158

172.076

5.040

183.242

20.812

1.155

155.816

5.459

8,7

0,6

0,2

10,4

-7,7

TOTAL 2.283.379 2.148.188 6,3

Do total fundido em 2018, 1,90 milhão de toneladas foram consumidas no mercado interno, o que em percentagem equivale a um aumento de 7,7% sobre 2017 (1,79 milhão t).

O setor automotivo continua liderando a demanda de fundidos no país (50,4%), seguido dos segmentos de bens de capital (11,7%), ferroviário (6,8%), máquinas rodoviárias (6,2%), sucroalcooleiro (6,1%), infraestrutura (5,7%), siderúrgico (4,6%) e mineração (2,2%).

grafico1

As exportações, por sua vez, ficaram praticamente estáveis. Tanto em peso (377,5 mil t) quanto em valor (837,0 MUS$), a queda foi de 0,3% em 2018.

Tabela 2 – Exportações acumuladas de fundidos em 2018, em peso e valores.
Metal Jan-Dez 2018 (t) Jan- Dez 2017 (t) 2018/2017 (%) Jan- Dez 2018 (mil US$ – FOB) Jan- Dez 2017 (mil US$ – FOB) 2018/2017 (%)
Ferro 342.277 348.916 -1,9 747.419,4 755.691,3 -1,1
Aço 29.651 25.708 15,3 74.859,6 72.444,8 3,3
Não ferrosos 5.621 4.222 33,1 14.672,9 11.596,0 26,5
TOTAL 377.548 378.847 -0,3 836.915,8 839.732,1 -0,3

Com relação ao número de profissionais empregados nas fundições, notamos uma tendência de crescimento. Em dezembro último, o registro foi de 55.061 colaboradores, o que equivale a uma alta de 4,5% sobre o mesmo mês de 2017 e de 8,5% em relação a dezembro de 2016.

Ao compararmos o ritmo de crescimento da produção e das contratações, a conclusão a que se chega é que a fundição brasileira está mais produtiva.

Em dezembro do ano passado, a produtividade do setor ficou em 41,6 t/h.a. O pior índice foi registrado em junho de 2016 (± 38 t/h.a) e o melhor em outubro de 2008 (58,4 t/h.a).

Previsões

Com base nas estimativas de produção de seus principais nichos de mercado, intenções de investimento da indústria a curto prazo e expectativas de consumo, a ABIFA prevê que o setor de fundição deverá ter um incremento de produção/tonelagem fundida de 7% em 2019 (2,44 milhões de toneladas).

A tendência de crescimento seguirá nos anos seguintes, com a produção chegando a 3,20 milhões de toneladas em 2023.

A capacidade instalada do setor, de 4 milhões de toneladas anuais, deverá se manter, o que não significa que não haverá investimentos. Conforme mencionado anteriormente, a indústria de fundição está a cada ano mais produtiva, o que passa necessariamente pelo investimento em máquinas e equipamentos que acompanhem essa evolução.

grafico2