Sebrae e CNI assinam convênio para incentivar exportação de micro e pequenas empresas

O Sebrae e a CNI – Confederação Nacional da Indústria firmaram um convênio para estimular e capacitar micro e pequenas empresas a internacionalizarem as suas operações. Com aportes de R$ 21 milhões, as instituições têm por objetivo atender mais de mil empresas nos próximos 30 meses.

A parceria possibilitará que os pequenos negócios exportem mais, gerando renda e empregos. Atualmente, 40% das empresas brasileiras exportadoras são de porte micro e pequeno.

Segundo Carlos Melles, presidente do Sebrae, as micro e pequenas empresas brasileiras são iguais às demais no resto do mundo, inclusive na contratação de mão de obra. “Mas quando chega no faturamento, nossas MPE têm a metade do volume dos pequenos negócios de outros países. Além disso, quando se trata de exportação, o percentual é um traço apenas”, completa.

O acordo entre o Sebrae e a CNI prevê atividades nacionais coordenadas pelas duas instituições, as quais serão conduzidas após realização de um mapeamento das necessidades dos empresários. Para enfrentar uma das maiores dificuldades encontradas pelas MPE para exportar, que é identificar mercados em outros países, o convênio possibilitará a realização de missões de prospecção e comerciais, para que as empresas envolvidas conheçam as realidades dos mercados que pretendem alcançar.

Além disso, o acordo intensificará o relacionamento com possíveis clientes e proporcionará rodadas de negócio no Brasil e no exterior com compradores internacionais, ou em eventos, como feiras.

Os empresários ainda serão capacitados presencialmente ou por meio virtual sobre mercados e setores, bem como sobre o processo de exportação.

O convênio prevê também os Propects, que são investigações em mercados potenciais, com o objetivo de analisar informações estratégicas sobre acesso, venda, regulamentação, desembaraço e concorrência, por exemplo. Os relatórios gerados a partir dessas ações serão entregues às empresas exportadoras.

O trabalho será feito para grupos de 20 empreendimentos em pelo menos quatro Estados, podendo ser dos tipos mercadológico estruturante, mercadológico comercial e tecnológico.