Exportações de sucata ferrosa caem no 1T21 – Atualmente, 90% do total processado é destinado ao mercado interno

Segundo dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), as exportações de sucata ferrosa caíram -69,3% no primeiro trimestre do ano, em decorrência da recuperação da demanda interna pelo insumo.

Entre janeiro e março, foram embarcadas 64.880 t de sucata, contra 211.378 t no mesmo período do ano passado.

As importações, por outro lado, totalizaram 136.273 t, contra 3.380 t nos primeiros três primeiros meses de 2020.

A expectativa é que o consumo de sucatas de ferro e aço no Brasil chegue a 9 milhões de toneladas em 2021; +12,5% em relação a 2020.

De acordo com o INESFA – Instituto Nacional das Empresas de Sucata de Ferro e Aço, a queda das exportações do setor é decorrente do incremento do consumo de sucatas metálicas por parte das usinas siderúrgicas e fundições.

Segundo Clineu Alvarenga, presidente da entidade, o setor de sucata destina, neste momento, mais de 90% do total processado de materiais ferrosos ao mercado interno. “A exportação é alternativa fundamental ao equilíbrio e subsistência de toda a cadeia da reciclagem, possibilitando a comercialização de volumes excedentes, especialmente em momentos de crises econômicas, sanitárias e humanitárias, com forte retração do consumo interno”.

Ainda de acordo com Alvarenga, a repentina retomada na produção de bens de capital e de consumo levou as usinas siderúrgicas a recorrerem às importações de sucata, para atenderem aos consumidores de aço no ritmo demandado. “Em tempo recorde, os níveis de estoques e segurança de estoques de sucatas ferrosas das usinas siderúrgicas (aciarias) já retornaram à plena normalidade, haja vista a imposição de baixas nos preços de compra de materiais ferrosos recicláveis”, finaliza.