Palavra do Presidente

afonsoNo mês de abril, tivemos eleição para renovação das diretorias da ABIFA e do SIFESP para a gestão 2016 a 2019, que tomou posse no mês de maio/2016.

 

De início, temos que agradecer o apoio recebido e a presença de todos no dia da posse, destacando a competência do Presidente Remo e sua diretoria, que na sua maioria continuam na nova gestão, pela dedicação com que se colocaram para dirigir as entidades, neste momento de grandes adversidades, valorizando seus associados e respeitando o Estatuto da Associação e do Sindicato.

Por ter acompanhado de perto seu trabalho, procurarei dar continuidade aos projetos e ações implementadas em sua gestão.

Ciente da tarefa a mim designada e dos desafios que se apresentam decorrentes do atual cenário econômico brasileiro, conclamo a todos: Diretoria, Associados e toda cadeia produtiva para unirmos forças em prol de ações que sejam relevantes para a indústria da fundição e projetarmos ainda mais este setor, que é de grande representatividade para a economia do país.

No mundo globalizado, em que a concorrência com outros países se faz presente e cada vez mais acirrada, empresários e trabalhadores devem se unir em uma grande força tarefa na busca incessante pelo avanço tecnológico, aprimoramento da qualidade e inovação, para manter e conquistar novos mercados e fortalecer nossa competitividade.

A fundição está presente em todos os momentos de nossas vidas, é uma indústria de transformação importante no desenvolvimento mundial, portando nos cabe fortalece-la. São mais de 1300 fundições no Brasil, empregando mais de 56.000 trabalhadores com um PIB próximo de 6 bilhões de dólares.

E é neste contexto, representando a ABIFA – Associação Brasileira de Fundição, o SIFESP – Sindicato da Indústria da Fundição no Estado de SP e o SIFUMG – Sindicato da Indústria da Fundição no Estado de Minas Gerais, junto a nossos pares, FIESP, FIEMG, CNI, SEBRAE e governos Federal, Estadual e Municipal, além de nossos representantes no Legislativo, que buscaremos uma representatividade forte, para que consigamos políticas industriais competentes e duradouras assegurando segurança jurídica para novos investimentos, diminuição da burocracia e apoio de nossas instituições no sentido de cercear a entrada de fundidos importados em nosso país, equivocadamente autorizada através de NCMS indevidos.

Diante disso, não posso deixar de dizer que o país precisa de reformas importantes, tais como: Tributária e Fiscal, Trabalhista, Previdenciária e Política. Estas são necessárias e urgentes. Neste esforço, é necessário que nossos representantes no Congresso se comprometam e ouçam o anseio das entidades empresariais e da sociedade brasileira.
Reafirmo que vamos manter posição firme na defesa de interesses do nosso setor, com postura crítica permanente para contribuir na construção de um país que tenha um ambiente favorável ao desenvolvimento industrial.
Sejamos coerentes em nossas colocações, firmes em nossas decisões e guerreiros em nossas lutas.

Mãos à obra. A indústria tem pressa!

Afonso Gonzaga
Presidente