WEG aposta em energia e mercado externo

Com a dificuldade da indústria brasileira de iniciar uma retomada, a fabricante de máquinas e equipamentos WEG espera manter o ritmo de crescimento neste ano segmento de energia e na expansão no mercado externo, afirmou o presidente da companhia, Harry Schmelzer Junior, em entrevista ao valor, após divulgação dos resultados do ano passado.

A empresa reportou lucro liquido de R$ 263,3 milhões no quarto trimestre de 2014, alta de 10,9% na comparação anual. No Brasil, a fabricante diz que o crescente dinamismo do mercado de equipamento para geração, transmissão e distribuição de energia elétrica compensou o desempenho mais fraco do investimento industrial e do cosumo e a empresa deve continuar investindo no segmento.

A companhia está de olho nos leilões de fontes alternativas, como projetos de eólica. “A parte de GTD (geração, transmissão e distribuição) deve continuar dando oportunidades [ de crescimento] para a WEG”, disse Schmelzer. A empresa Já entrou em projetos de PCH (pequenas centrais hidrelétricas) e de geração térmica. O negócio do grupo geradores também deve impulsionar a companhia.

No mercado externo, WEG concluiu aquisições na China e na Alemanha e fez investimentos em aumento de capacidade fabril no exterior em 2014.O objetivo,diz o executivo,é que a empresa aumente o peso do mercado externo nos seus negócios para até 60% em cinco anos.

“mais não mais que isso”, acrescentou Schmelzer, explicando que o mercado brasileiro é importante no desenvolvimento de novos negócios. “Com os produtos mais maduros, estamos investindo no mercado externo; os novos negócios começam no Brasil”, afirmou o executivo.

A indústria em geral teve impacto negativo para a fabricante no ano passado, mas a expectativa é que o país comece a se recuperar em 2016. O dólar mais valorizado avalia o presidente, deixa a WEG mais competitiva para a exportação, mas também pressiona alguns custos, como preço do aço e do cobre. Schmelzer defende o Brasil como um país exportador de produtos manufaturados “[com o dólar mais valorizado] eu fico mais competitivo, mais torço muito mais para que os clientes da WEG fiquem mais competitivos”.

Questionando sobre os problemas enfrentados pela Petrobras, Schmelzer confirmou que a empresa tem montantes em atraso para receber de fornecedoras da petroleira. Os problemas ,segundo o executivo,são pequenos e não têm impacto significativo sobre a saúde financeira da companhia, que tem negócios em diversos segmentos.

“Sou fornecedor de algumas delas [empreiteiras], mas o impactado não será maior do que a WEG já enfrentou historicamente em outras crises no Brasil”, disse o executivo, lembrando que, em períodos como a crise de 2009, a inadimplência dos clientes sofreu ligeiro aumento.

Segundo Schmelzer, como o fornecimento para projetos como os da Petrobras têm uma dinâmica de pagamento diferente os valores em atraso são pequenos. “o que fica para saldar quando eu entrego o equipamento é uma parcela muito pequena do valor total”, diz.

 

fonte: Valor Econômico – Victória Mantoan – 26 de fevereiro de 2015.